Gamificação: um ponto de encontro entre inteligência artificial e motivação

“A Inteligência Artificial veio para ficar e cada dia está mais presente em número de dispositivos”

Durante alguns anos temos vivido com expressões como “inserir moeda”, “acabar o jogo” ou “quer manter as mudanças?” que aparecem tanto no nosso ambiente de trabalho como no nosso ambiente de lazer. Estas expressões evoluem com o apoio da inovação tecnológica, sempre com o objectivo de tornar a vida mais fácil para os utilizadores, caminhando sempre para o que se chama inteligência artificial (também chamada visão artificial).

 

Mas não devemos esquecer uma coisa, que a Inteligência Artificial veio para ficar e cada dia está mais presente em número de dispositivos, não só em famosos assistentes de voz como Siri ou Alexa, mas em elementos da nossa vida quotidiana (quando se trata de escrever um e-mail, em plataformas de TV/Streaming, ou nos nossos veículos), aqueles que analisam os nossos hábitos e comportamentos para sugerir ou recomendar decisões. Isto é o que se chama aprendizagem mecânica, ou como a máquina aprende por si própria através de algoritmos e padrões.

 

Por detrás de tudo isto, ou melhor, do que os utilizadores não vêem, chama-se “back-end”, que se refere a uma soma de línguas e algoritmos que analisam cada uma das nossas decisões para a transformar em sugestões, com o objectivo de melhorar a nossa tomada de decisões, num “front-end” que é o que vemos no ecrã e com o que interagimos. Pense numa plataforma de compras online (Amazon), que é um exemplo de boa experiência do utilizador, uma vez que é intuitiva na navegação, pesquisa e filtragem, mas acima de tudo propõe aos clientes produtos baseados na análise de dados.

 

Tudo isto resume aquilo a que podemos chamar “machine learning”, com o objectivo de prever resultados futuros a partir de dados históricos que deixamos cada vez que interagimos com estas plataformas (não só amazon, mas com qualquer rede social como Facebook ou Youtube), acontece também em plataformas musicais como Spotify, nas quais a partir do disco deve indicar uma série de grupos e estilos musicais para a machine learning para recolher informação sobre o que ouve, etc… e com todos estes “dados” analisados propor sugestões de acordo com o seu perfil de utilizador. Esta complexidade é conseguida através de algoritmos inter-relacionados para tirar conclusões e agir de forma previsível.

 

A soma de cada um destes conceitos mencionados e que podem ser encontrados na nossa vida diária (inteligência artificial, aprendizagem de máquinas, algoritmos, aprendizagem de máquinas, etc.) combinados com técnicas preditivas mais ligadas à psicometria (entendida como o ramo da psicologia tradicional que mede o comportamento humano) torna possível aplicar a inteligência artificial a processos relacionados com o talento e as competências, ou seja, aos processos de selecção empresarial.

 

Nos últimos anos, empresas como a E&Y, Inditex, Cepsa e Kiabi, entre outras, têm incorporado a inteligência artificial nos seus processos e dinâmicas, acrescentando um elemento inovador e diferenciador como a gamificação. Actualmente, encontrar e reter talento é um desafio, especialmente entre a chamada “Geração Z” (nascida desde 1995), sendo estes nativos digitais, habituados ao imediatismo baseado na tecnologia, em constante busca de inovação, com altas doses de intuição e sem medo de mudança. Estes perfis estão centrados nas empresas, que vêem a inovação tecnológica e a gamificação como uma ferramenta necessária para a sua identificação e selecção.

 

Além disso, Z Generation olha para empresas que promovem, para além de valores alinhados com as suas expectativas, uma imagem de marca atraente, inovadora e vê a tecnologia como uma alavanca de mudança e desdobra-se no que diz respeito ao mercado.

 

Se costumávamos falar de algoritmos e “back-end”, a gamificação tem um poder motivador e desafiador atractivo para os candidatos, dando-lhes a possibilidade de tornar as suas competências visíveis nos processos de selecção. Este é o sucesso desta metodologia, que atingiu 11 mil milhões de dólares em 2020 (de acordo com o Statista 2021).

 

A gamificação juntamente com a simulação são as dinâmicas mais populares, uma vez que permitem recriar situações imersivas e reais em que os candidatos individualmente ou por equipas se destacam pela sua criatividade e competitividade, tomando decisões, negociando, planeando… estas e outras competências são as que as empresas actualmente mais exigem, e com estas metodologias dão aos participantes a possibilidade de os mostrar de forma consciente e por vezes inconsciente. Algo que, num processo tradicional, é complicado.

 

É inevitável falar de gamificação e aludir a jogos de vídeo, que é que ambos têm um elemento vital do ser humano, tal como a motivação. Há uma grande diferença entre dois, a gamificação é utilizada para fins que vão além do jogo e do lazer, fundindo estes dois elementos podemos identificar tanto a motivação intrínseca (jogo de vídeo) como a motivação extrínseca (gamificação). Isto é, enquanto no primeiro prevalece o apelo e o divertimento, no segundo prevalece o desafio de alcançar a melhor avaliação possível.

 

A gamificação está cada vez mais presente nos processos de avaliação de competência, quer no processo de selecção, quer na avaliação interna de empresas que procuram promoção ou funcionalidade de mobilidade. Além disso, estudos mostram que os candidatos que reagem positivamente a um processo gamificado tendem a recomendar outros potenciais candidatos a postular nessa empresa, o que demonstra o seu compromisso com a tecnologia e a inovação.

 

No Grupo Gestionet temos sido o parceiro tecnológico de empresas que estão empenhadas na inovação, Inteligência Artificial e digitalização de processos chave, especialmente no departamento de recursos humanos (HR Tech). E vemos, dia após dia, como as empresas que apostam na gamificação e simulação em processos de captação de talentos confiam em plataformas e soluções digitais nas quais os candidatos e empregados podem sentir-se autónomos competentes, e especialmente ter o cenário em que podem demonstrar as suas capacidades e resultados esperados. Sendo definitivamente o candidato ideal para essa empresa.

 

Mikel Escriche Iturrate

HRBP Gestionet Group

+34637807722

Más noticias

Será que 2022 será o início do metaverso?

Desde que Mark Zuckerberg anunciou as suas intenções de criar o metaverso, muitas empresas já estão a planear produtos e serviços como novos negócios para este território virtual desconhecido. A questão é: estamos prontos?