A pandemia pôs em evidência a lacuna na maturidade digital das empresas

GAMELabsNET entrevista Enguerran Charlopain, Director Comercial de Algotech.

 

É uma realidade que a pandemia acelerou o processo de digitalização no ambiente empresarial, quais são, na sua opinião, as principais mudanças no mundo?

 

EC: A pandemia pôs em evidência a lacuna na maturidade digital das empresas. O ritmo a que as equipas estão a tornar-se mais qualificadas à medida que assumem novas tecnologias e novos métodos de trabalho (vídeo, drive, software SaaS, Cloud) acelerou esta transformação. Uma boa transformação digital consiste também em ganhar longevidade e continuar a melhorar o apoio aos seus empregados com novas ferramentas e ferramentas interactivas são cruciais para responder a este desafio.

 

Ter uma estratégia digital no seu negócio já era uma vantagem competitiva. Que papel desempenham as TIC neste contexto do Covid-19? Serão as tecnologias um motor essencial da futura recuperação económica?

 

EC: Desde 1970 que temos conseguido recolher dados a partir de diferentes bases de dados: docs, excels, papel e software de todos os tipos. Todas elas são difíceis de interoperar umas com as outras.

 

Estes softwares históricos que nos obrigam a permanecer sedentários, deram lugar a novas soluções como a tecnologia sem código que nos permite trabalhar de uma forma mais ágil e flexível.

 

Poder trabalhar remotamente permitiu que muitas empresas continuassem a trabalhar durante a pandemia e tomassem o lugar daqueles que não estavam nada preparados, uma grande lacuna foi vista nos primeiros momentos da pandemia e à medida que o tempo foi passando tornou-se mais escasso. Mas uma boa transformação digital também significa ganhar longevidade e continuar a melhorar o apoio aos seus empregados com novas ferramentas e ferramentas interactivas são cruciais para responder a este desafio.

 

A incerteza que se impôs pode ser um travão à digitalização, como a vêem, outros salientam?

 

EC: A transformação digital não era uma prioridade devido à falta de tempo ou orçamento para as empresas, mas face à incerteza com os vários confinamentos torna-se mais do que importante manter o seu método de trabalho remoto. Para uma maior competitividade, as fábricas estão também a entrar na era digital para atrair talento e ser mais eficientes.

 

O aumento destas soluções mais ágeis durante a pandemia permitiu rapidamente aos empregados aumentar as suas competências e o valor acrescentado à competitividade económica. Colocar a digitalização na linha da frente permite continuar a apoiar o seu negócio, recuperando e abrindo novas portas que não foram exploradas antes da pandemia.

 

Ao quebrarmos os silos internos, estamos a quebrar os limites físicos.

 

A Internet tornou-se para muitas empresas a única plataforma que lhes oferece visibilidade e tecnologia como aliada para assegurar a continuidade das suas actividades, que soluções ou tecnologias têm empresas como a sua à sua disposição para avançar? para a transformação digital e ser mais produtivas e competitivas? Pode citar exemplos ou casos reais?

 

EC: A imagem de marca e a capacidade de divulgar informação chave da empresa são as duas soluções que nos permitem adaptar-se e ser mais competitivos, podem ser acompanhadas por tecnologias como um CRM / ERP sem código, por exemplo.

 

1- imagem de marca: temos duas alavancas, sobre as quais comunicamos (devemos portanto ser relevantes e utilizar redes sociais e ferramentas de comunicação sabiamente) e a acção dos representantes de vendas directamente com os alvos (devemos portanto utilizar a Internet para visar melhor, saber destacar-se, encontrar os contactos relevantes). O Linkedin tornou-se infelizmente um dos únicos canais de prospecção com a COVID, o que pode eventualmente tornar-se perigoso.

 

2- capacidade de divulgação: aqui devemos criar uma rede de parceiros capazes de falar sobre nós, a nossa tecnologia e a sua adaptação às necessidades. Para tal, temos de procurar estabelecer contactos com especialistas ou fabricantes comerciais que estejam em contacto com os clientes finais e que já tenham notoriedade, a fim de tirar partido das suas capacidades de comunicação em maior escala. Em suma, no nosso negócio, as vendas indirectas são a chave para alcançar a escala.

 

A Algotech está ligada ao projecto transnacional GAMELabsNET via ESTIA, em particular, porque decidiu envolver-se no showroom do Bidart? Com base nos intercâmbios que teve ao longo do projecto, que semelhanças e diferenças pode destacar entre os sectores TIC dos três países participantes, Espanha, França e Portugal?

 

EC: Cada actor do projecto traz os seus próprios conhecimentos empresariais, o que torna possível compreender e apreender diferentes formas de trabalho. No nosso sector gémeo digital, temos um avanço em França porque o projecto BIM se tornou uma obrigação legal para as construções, o que não é o caso noutros países. Por outro lado, a circulação de dados é a mesma para os nossos projectos comuns, tais como a manutenção da realidade virtual.

 

Que serviços prestados pela Rede Transnacional GAMELabsNET de Tecnologias de Jogos de Vídeo e Centros de Demonstração de Gama (Laboratórios) fornecem um forte valor acrescentado para uma PME como a sua?

 

EC: Esforçamo-nos por estar o mais próximo possível dos jovens porque com a escassez de perfis nas novas tecnologias, é importante motivar a nova geração a investir em novos sectores. A gamificação torna a manutenção e a indústria 4.0 mais divertidas e visuais.

 

Este ecossistema está em plena expansão. Graças ao Laboratório, existe agora esta oportunidade de poder visualizar (óculos de realidade virtual) uma fábrica e de poder deslocar-se livremente, permitindo ao mesmo tempo a sua manutenção remota.

 

Na véspera do lançamento dos Metavers com Facebook, este é um universo que vai ocupar cada vez mais espaço. De facto, os gémeos digitais como já existem na arquitectura para BIM ou na fábrica do futuro para manutenção preventiva ou remota já são um mundo virtual e já existem em muitos campos. A gamificação tornou-os mais acessíveis a diferentes sectores.

 

Finalmente, que conselhos daria às empresas em geral, e às empresas do sector das TIC em particular, após o seu envolvimento no Laboratório ESTIA?

 

EC: Pertencer a um grupo como o ESTIA Lab é uma honra para nós, somos como uma família com boa vontade entre cada um dos participantes. O objectivo é estar num ambiente de trabalho colaborativo onde aprendemos com todos, e isto é, na minha opinião, o melhor impulsionador para as empresas.

 

Todos nos conhecemos e valorizamos as empresas do colectivo para desenvolver parcerias e obter feedback sobre as nossas actividades comuns.

 

Esta sinergia permite-nos construir um Laboratório relevante para aqueles que o visitam, quer sejam empresas à procura de inovação ou estudantes à procura de inspiração.

 

Se ao longo das últimas décadas foi apresentada a concorrência para as empresas, parece estar a ocorrer uma mudança nos métodos de trabalho através desta nova tendência para a parceria, pois é ela que nos permite dinamizar a nova geração e os nossos territórios, dando um significado real ao trabalho.

Más noticias

Será que 2022 será o início do metaverso?

Desde que Mark Zuckerberg anunciou as suas intenções de criar o metaverso, muitas empresas já estão a planear produtos e serviços como novos negócios para este território virtual desconhecido. A questão é: estamos prontos?